Domingo, 25 de Junho de 2006

Rainha Santa Isabel

Rainha Santa Isabel
Isabel de Aragão,
(ou, usando a grafia medieval portuguesa,
Helisabeth;
Passou à história com a fama de santa, tendo sido beatificada e posteriormente canonizada. É popularmente conhecida como a Rainha Santa Isabel ou, simplesmente,
A Rainha Santa.
[
Biografia
Isabel era filha do rei
Pedro III de Aragão
e de Constança de Hohenstaufen,
rainha da Sicília.
Por via materna, era descendente do grande
Imperador Romano-Germânico
Frederico II.
Teve cinco irmãos, entre os quais os reis aragoneses
Afonso IIIe Jaime II,
para além de outro monarca reinante, Frederico II da Sicília. Para além disso, por via materna estava também relacionada com a sua tia
Santa Isabel da Hungria, também considerada santa pela
Igreja Católica.
Casou-se por procuração com o soberano português
D. Dinis em Barcelona,
aos 11 de Fevereiro de
1282,
tendo celebrado a boda ao passar a fronteira da
Beira, em Trancoso, em
26 de Junho
do mesmo ano. Por esse motivo, o rei acrescentou essa vila ao dote que habitualmente era entregue às rainhas (a chamada Casa das Rainhas,
conjunto de senhorios a partir dos quais as consortes dos reis portugueses colhiam as prebendas destinadas à manutenção da sua pessoa, e entre as quais
se encontravam, por exemplo, as vilas de
Óbidos, Alenquer, Torres Vedras,
bem como outras povoações da região hoje conhecida como Oeste).
O rei não lhe teria sido inteiramente devotado, e parece que visitaria damas nobres para os lados de
Odivelas.
A rainha, ao saber do sucedido, ter-lhe-á apenas respondido: Ide vê-las, Senhor. Com os tempos, de acordo com a tradição popular, uma corruptela de ide
vê-las originou o moderno topónimo Odivelas (versão, contudo, que não é sustentada pelos linguístas).
Apesar de tudo, Isabel parece ter sido muito piedosa e passou grande parte do seu tempo em oração e ajuda aos pobres. Por isso mesmo, ainda em vida começou
a gozar da reputação de santa, tendo esta fama aumentado após a sua morte.
Na década de 1320,
o seu filho e herdeiro, Afonso IV de Portugal,
sentindo em perigo a sua posição em favor de um filho bastardo do rei Dinis, também chamado Afonso, declarou abertamente a guerra a seu pai, chegando-se
quase à luta na peleja de Alvalade.
No entanto, a intervenção da rainha conseguiu serenar os ânimos – pela paz assinada em 1325
nessa mesma povoação dos arredores
de Lisboa, foi evitado um conflito armado que teria ceifado muitas vidas inutilmente.
Pouco depois da morte do marido, Isabel recolheu a um convento franciscano em Coimbra
(Santa Clara-a-Velha)
vestindo o hábito de Clarissa
mas não fazendo votos (o que lhe permitia manter a sua fortuna usada para a caridade). Só voltaria a sair dele uma vez, pouco antes da morte, em 1336.
Nessa altura, tendo Afonso declarado guerra ao seu primo, o rei de Castela,
Afonso XI, pelos maus tratos que este infligia à sua esposa D. Maria (filha do rei português), a rainha Santa Isabel, não obstante a sua idade avançada
e a sua doença, dirigiu-se a Estremoz,
onde mais uma vez se colocou entre dois exércitos desavindos, e de novo evitou a guerra.
Isabel faleceu pouco tempo depois, em Santarém,
tendo deixado expresso em seu testamento o desejo de ser sepultada no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, em Coimbra, (onde hoje em dia, após ter estado por
400 anos parcialmente submerso pelo
Mondego,
decorre uma escavação arqueológica) sendo a viagem demorada havia o receio do cadáver entrar em decomposição acelerada pelo calor que se fazia, e conta-se
que a meio da viagem debaixo de um calor abrasador começou o ataúde
a abrir fendas e por elas escorria um líquido, que todos supuseram provir da decomposição cadavérica. Qual não foi, porém a surpresa quando notaram que
na vez do mau cheiro esperado saída do ataúde um aroma suavíssimo. Seu marido o rei Diniz repousa em
Odivelas, no
Convento de São Dinis.
Foi beatificada pelo
Papa Leão X em 1516,
vindo a ser canonizada, por especial pedido da
dinastia filipina,
que colocou grande empenho na sua santificação, pelo
Papa Urbano VIII
em 1625.
É reverenciada a 4 de Julho, data do seu falecimento.
Actualmente, inúmeras escolas e igrejas ostentam o seu nome em sua homenagem.
Rainha Santa Isabel
-
Descendência
Do seu casamento com o rei D. Dinis
teve dois filhos:
 Constança (
3 de Janeiro de 1290 -18 de Novembro de 1313),
que casou em 1302
com o rei Fernando IV
de Castela.
-
• D. Afonso IV,
rei de Portugal
(8 de Fevereiro de 1291 -
28 de Maio de 1357).
>
A lenda do milagre das rosas
-
Conta-se que, certa vez, a rainha, decidida a ajudar os mais desfavorecidos, teria enchido o seu regaço com pães, para os distribuir. Tendo sido apanhada
pelo soberano, que lhe inquiriu onde ia e o que levava no regaço, a rainha limitou-se a responder: São
rosas, Senhor!. Com efeito, ao abrí-lo, teriam brotado rosas do regaço, ao invés dos pães que escondera. Este evento ficou conhecido como milagre das rosas.
Albertino
publicado por tradicional às 14:18
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. História da Cidade do Por...

. O café e a decadência da ...

. CONJUNTURA POLÍTICA N...

. Governo da fusão

. Site com História do Bras...

. O Abolicionista John Brow...

. O Portto: a cidade, as ge...

. Castelo de Alcobaça

. Castelo de Moura

. Castelo de Alcácer do Sal

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds