Sexta-feira, 16 de Junho de 2006

Dia de Camões, de Portugal e das comunidades

10 de Junho:
 Feriado em Portugal -
Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades Portuguesas.
Até ao 25 de Abril de 1974
era conhecido como o Dia de Camões, Portugal e da Raça.

 

Foto

 

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/24/Luis_de_Camoes.jpg

      10 de Junho

      Professor universitário
acpinto53@hotmail.com
António Costa Pinto

      Reconheça-se que a democracia fez o que pôde para retocar a imagem
deste feriado incómodo para os poucos que lhe conhecem a história. Entre
medalhas diversas e homenagens às Forças Armadas pela sua participação em
missões de paz, o novo 10 de Junho melhorou, extirpando algumas nostalgias
autoritárias que lhe aparecem nas margens.

      Para os portugueses mais velhos, a imagem do 10 de Junho era a do
almirante Américo Tomás e dos altos dignitários do Estado Novo a
condecorarem os militares e suas famílias durante a Guerra Colonial. Já
pouco se lembram do "Dia da Raça" e de Camões com marchas populares e outras
iguarias folclóricas organizadas pelo Se-cretariado de Propaganda Nacional
de António Ferro, símbolo de um esforço de "nacionalização" da sociedade
portuguesa. Para não falar das suas origens nas manifestações patrióticas de
finais de século XIX, que os republicanos tentaram enraizar na cidadania.

      Os países europeus estão cheios destes feriados, alguns de passado bem
mais incómodo, pois estes "Estados-Nações" já passaram por períodos de
delírio nacionalista e de exclusão dos outros, que agora, felizmente,
desdenhosamente vêem de longe pela televisão, mesmo que às vezes eles
estejam bem perto, como na antiga Jugoslávia. Mas os portugueses, por acasos
da História, têm um nacionalismo tranquilo, não tendo sofrido muito com o
fim do império, em termos da sua identidade colectiva, nem achando que a
União Europeia lhe ia destruir a mesma.

      Reconheçamos que a rapidez da descolonização e o facto de ela ter sido
realizada no meio de uma conturbada transição para a democracia ajudaram a
quebrar a nostalgia de algumas elites e os dramas dos que sofreram com ela.
Por outro lado, a Europa, enquanto novo destino nacional no final dos anos
70, também funcionou com grande eficácia. Aliás, até muito para além deste
período: nos últimos 20 anos, o número de portugueses que consideram que a
integração de Portugal na UE foi uma "coisa boa" esteve sempre acima da
média europeia.

      A substituição do império tardio dos anos 60 pelas "comunidades", nas
celebrações do 10 de Junho, foi a adaptação possível, mas à medida que a
"raça" vai coabitando com os herdeiros desse império na antiga metrópole,
mais os que se lhe juntaram nos últimos anos, talvez fosse também de os
introduzir nas celebrações.

publicado por tradicional às 00:36
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. História da Cidade do Por...

. O café e a decadência da ...

. CONJUNTURA POLÍTICA N...

. Governo da fusão

. Site com História do Bras...

. O Abolicionista John Brow...

. O Portto: a cidade, as ge...

. Castelo de Alcobaça

. Castelo de Moura

. Castelo de Alcácer do Sal

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds